Os Principais Músculos do Core

Anatomia e Fisiologia dos Músculos do Core

Os músculos do core são responsáveis por originar e controlar os movimentos, transferir energia, distribuir o peso do corpo, se deslocar em diferentes direções, etc. Além disso, o core determina em grande escala a postura da pessoa.

Em muitos trabalhos e artigos encontrados na literatura brasileira, o core é referido como composto pelos músculos abdominais (transverso e reto). No entanto, o core é muito mais do isso. É difícil definir exatamente todos os músculos que constituem o core, pois diversos especialistas incluem diferentes músculos nessa lista. Mas em termos gerais o core engloba a musculatura das regiões abdominal, dorsal e pélvica.

Abaixo segue um guia detalhado do principais músculos que constituem o core:

Reto Abdominal

reto abdominal músculos do core

Anatomia

Origem:
Crista do púbis.
Inserção:
Cartilagem costal das costelas 5-7 e do apêndice xifoide do esterno.
Artéria Principal:
Artéria epigástrica inferior.
Inervação Neural:
De forma segmentada pelos nervos tóraco-abdominal (T7-T12).

Fisiologia

Funções Concêntricas:
Flexão lombar da coluna vertebral.
Funções Excêntricas:
Desacelera a extensão e a rotação da coluna vertebral.
Função Isométrica:
Estabiliza o complexo quadril-pélvico-lombar.

Mais

Um reto abdominal fraco (em latim Rectus Abdominis) pode originar problemas em certos exercícios e aumentar o risco de ocorrência de lesões nas costas. Quando o reto abdominal é fraco os antagonistas, os músculos eretores da espinha tendem a aplicar uma maior tensão, o que coloca a região lombar em risco de lesão, juntamente com o fato de que isso permite que eles se possam hiperextender ainda mais.

Transverso Abdominal

transverso abdominal músculos do core

Anatomia

Origem:
Borda interna da crista ilíaca, ligamento inguinal, fáscia toracolombar, e cartilagens costais das seis costelas inferiores.
Inserção:
Processo xifoide linha alba e púbis.
Artéria Principal:
Artéria subcostal.
Inervação Neural:
Nervos espinhais torácicos T8-T12.
Nervo iliohipogástrico.
Nervo ilioinguinal.

Fisiologia

Funções Concêntricas:
Puxa a parede abdominal para dentro (expiração forçada) e aumenta a pressão intra-abdominal.
Funções Excêntricas:
Estabiliza de forma dinâmica o complexo quadril-pélvico-lombar durante os movimentos funcionais.
Função Isométrica:
Estabiliza de forma dinâmica o complexo quadril-pélvico-lombar.

Mais…

O transverso abdominal também é comumente chamado de TVA. O músculo transverso abdominal trabalha em conjunto com os oblíquos para aumentar a pressão intra-abdominal que suporta a coluna vertebral, em alguns exercícios.
O músculo transverso abdominal trabalha juntamente com o músculo reto abdominal e os oblíquos no sentido de manter o abdómem plano.

Oblíquo Externo

oblíquo externo músculos do core

Anatomia

Origem:
Superfícies externas das costelas 5-12 (7ª ou 8ª costelas inferiores).
Inserção:
2/3 anterior da crista ilíaca e a 2/3 lateral do ligamento inguinal.
Artérias Principais:
A porção cranial do músculo é fornecida pelas artérias intercostais inferiores, enquanto que a porção caudal é fornecida por um ramos da artéria ilíaca ou da profundidade ou da artéria circunflexa ileolombar.
Inervação Neural:
Nervo intercostal da 6ª costela inferior.
Nervo subcostal.

Fisiologia

Funções Concêntricas:
Rotação, flexão lateral e reflexão do tronco (coluna lombar).
Funções Excêntricas:
Desacelera a extensão e a rotação da coluna (lombar).
Função Isométrica:
Estabiliza de forma dinâmica o complexo quadril-pélvico-lombar.

Mais…

O músculo do músculo oblíquo externo é derivado de ‘oblíquo externus abdominal “em latim. Os oblíquos externos e internos trabalham em conjunto com o transverso abdominal para aumentar a pressão intra-abdominal, que ajuda a suportar a coluna lombar em alguns exercícios.

Oblíquo Interno

oblíquo interno músculos do core

Anatomia

Origem:
2/3 lateral do ligamento inguinal, 2/3 anterior da crista ilíaca e fáscia dorsolombar.
Inserção:
Linha alba, processo xifoide e nas 2-4 costelas inferiores.
Artéria Principal:
Artéria subcostal.
Inervação Neural:
Ramo primário anterior do T6-L2.
Filamentos neurais dos nervos iliohipogástrico e ilioinguinal.

Fisiologia

Funções Concêntricas:
Rotação, flexão lateral e reflexão do tronco (coluna lombar).
Funções Excêntricas:
Desacelera a extensão e rotação da coluna lombar.
Função Isométrica:
Estabiliza de forma dinâmica o complexo complexo quadril-pélvico-lombar e intersegmentar espinhal.

Mais…

O nome oblíquo interno é derivado do nome “oblíquo internus abdominal “em latim. Ambos os oblíquos interno e externo trabalhar em conjunto com o transverso abdominal para aumentar a pressão intra-abdominal, que ajuda a suportar a coluna lombar em alguns exercícios.

Quadrado Lombar

quadrado lombar músculos do core

Anatomia

Origem:
Lábio interno posterior da crista ilíaca e ligamento ileolombar.
Inserção:
Apófises transversas das quatro vértebras lombares superiores e borda inferior da 12ª costela (última costela).
Artérias Principais:
Artérias lombares.
Ramo da artéria lombar ileolombar.
Inervação Neural:
Nervos lombares L1-L4.
Nervo subcostal (T12).

Fisiologia

Funções Concêntricas:
Flexão lateral da coluna vertebral e extensão da coluna lombar (com contração bilateral).
Funções Excêntricas:
Estabiliza de forma dinâmica o complexo quadril-pélvico-lombar.
Função Isométrica:
Estabiliza de forma dinâmica o complexo quadril-pélvico-lombar.

Mais…

O quadrado lombar é um dos músculos profundos mais importantes no complexo quadril-pélvico-lombar. Para além das suas duas funções concêntricas acima mencionadas o quadrado lombar mantém a 12 ª costela fixa durante a expiração forçada e eleva o ílio durante uma contração ipsilateral (do mesmo lado).
Uma vez que o quadrado lombar a pélvis à coluna vertebral, é uma fonte comum de dor lombar por uma variedade de razões, incluindo o aumento da propensão para provocar tensões musculares nos músculos eretores da espinha, bem como devido à ocorrência de espasmos musculares no próprio quadrado lombar, devido ao seu uso excessivo.

Multífido

multífido músculos do core

Anatomia

Origem:
Sacro, ligamento sacro-ilíaco, processos espinhosos da lombar, torácica e última 4 vértebras cervicais.
Inserção:
Lombar e processos espinhosos da cervical (até à C2).
Artéria Principal:

Inervação Neural:
Ramo posterior primário de todos os nervos espinhais.

Fisiologia

Funções Concêntricas:
Aceleração da extensão da coluna e rotação contralateral.
Funções Excêntricas:
Desaceleração da flexão da coluna e rotação ipsilateral.
Função Isométrica:
Estabilização da coluna vertebral.

Mais…

O multífido ou multífidus abrange três segmentos articulares, e trabalha para estabilizar as articulações em cada nível segmentar. Trabalha em conjunto com o transverso abdominal, eretores da espinha, oblíquo interno e profundo de forma a estabilizar o complexo quadril-pélvico-lombar durante os movimentos funcionais.

O multífido também atua como um neutralizador contra as ações indesejadas de outros músculos.

Eretores da Espinha (Iliocostal, longuíssimo e espinhal)

eretores da espinha músculos do core

Anatomia

Origem:
Iliocostal: Superfície posterior inferior do sacro e costelas posteriores.
Longuíssimo: Processos transversos das vértebras lombares e torácicas.
Espinhal: Apófises transversas das vértebras cervicais e torácicas e ligamentos da nuca (ligamentos posteriores do pescoço).
Inserção:
Iliocostal: Processos transversos das vértebras cervicais e costelas posteriores.
Longuíssimo: Processos transversos das vértebras cervicais e torácicas e do processo mastoide do crânio.
Espinhal: Processos espinhosos das vértebras cervicais e torácicas e osso occipital do crânio.
Artéria Principal:
Iliocostal: Artérias intercostais.
Artérias lombares.
Longuíssimo: Artéria sacral lateral.
Espinhal: Artéria sacral lateral.
Inervação Neural:
Iliocostal: Ramo posterior do nervo espinhal.
Longuíssimo: Ramo posterior do nervo espinhal.
Espinhal: Ramo posterior do nervo espinhal.

Fisiologia

Funções Concêntricas:
Iliocostal: Flexão lateral da coluna vertebral (torácica, lombar e cervical).
Rotação da coluna (torácica, lombar e cervical).
Longuíssimo: Extensão da coluna (torácica, lombar e cervical).
Flexão lateral da coluna (cervical).
Rotação da coluna (cervical).
Espinhal: Extensão da coluna (torácica, lombar e cervical).
Funções Excêntricas:
Desacelera a rotação, flexão lateral e a flexão da coluna.
Função Isométrica:
Estabiliza a coluna de forma dinâmica durante os movimentos funcionais.

Mais…

O grupo muscular dos eretores da espinha é conjunto de pares de músculos e tendões que correm de forma mais ou menos vertical, estendendo-se por toda a região lombar, torácica e cervical da coluna vertebral.
Para efeitos de classificação, cada um dos músculos eretores da coluna são divididos em seções, que são: lombar, torácica, cervical e occipital.

Iliopsoas (Psoas maior, psoas menor e ilíaco)

iliopsoas músculos do core

Anatomia

Origem:
Psoas Maior: Processos transversos de T12-L5 e aspectos laterais dos discos intervertebrais.
Psoas Menor: Lado dos discos invertebrais entre o T12+L1 e IV.
Ilíaco: Fossa ilíaca, base do sacro.
Inserção:
Psoas Maior: Trocanter menor do fêmur.
Psoas Menor: Linha pectínea e eminência iliopectínea (trocanter menor do fêmur).
Ilíaco: Trocanter menor do fêmur (superfície inferior).
Artérias Principais:
Psoas Maior: Ramo da artéria lombar ileolombar.
Psoas Menor:
Ilíaco: Artéria medial circunflexa femoral.
Ramo da artéria ilíaca ileolombar.
Artéria epigástrica inferior.
Inervação Neural:
Psoas Maior: Plexo lombar via ramos anteriores dos nervos L1-L3.
Psoas Menor: Plexo lombar
Ilíaco: Nervo Femoral (L2-L3)

Fisiologia

Funções Concêntricas:
Flexão do quadril e rotação externa.
Funções Excêntricas:
Desacelera a extensão do quadril.
Desacelera a rotação interna do fêmur ao impacto no calcanhar.
Função Isométrica:
Auxilia na estabilização da coluna lombar durante os movimentos funcionais.

Mais…

O grupo muscular iliopsoas inclui os músculos ilíaco, psoas maior e psoas menor. O grupo é comumente referido como os “músculos flexores do quadril”, já que são os músculos principais responsáveis ​​pela flexão do quadril, ou seja, levantar o joelho a partir de uma posição ereta, como quando se prepara para começar a andar.

Glúteo Máximo

glúteo máximo músculos do core

Anatomia

Origem:
Linha glútea posterior.
Sacro posterior e cóccix.
Fáscia da região lombar.
Ligamento sacrotuberal.
Inserção:
Tuberosidade glútea do fêmur.
Trato iliotibial.
Artérias Principais:
Artéria glútea superior.
Artéria glútea inferior.
Inervação Neural:
Nervo glúteo inferior (raízes nervosas L5, S1, S2).

Fisiologia

Funções Concêntricas:
Extensão do quadril.
Rotação externa do quadril.
Adução do quadril (parte inferior).
Funções Excêntricas:
Desacelera a flexão, adução e rotação interna do quadril durante a fase de apoio.
Desacelera a rotação interna da tíbia através da banda iliotibial (IT).
Função Isométrica:
Auxilia na estabilização da articulação sacroilíaca através do ligamento sacrotuberal e a parte lateral do joelho através da banda iliotibial.

Mais…

O glúteo máximo (gluteus maximus em latim) é o maior músculo do corpo humano. Para além disso é também é o maior e mais superficial dos três músculos glúteos, constituindo grande parte da forma e da aparência das nádegas.
É uma massa espessa e carnuda estreita de uma forma quadrangular, e forma a proeminência das nádegas.
A sua grande dimensão é um dos aspectos mais característicos do sistema muscular em humanos, uma vez que está estreitamente ligado à capacidade do ser humano manter o tronco na postura erecta. Outros primatas têm nádegas muito mais planas.
O músculo tem uma estrutura notavelmente grossa, sendo constituído por fascículos deitados em paralelo uns com os outros e reunidos em feixes grandes separados por septos fibrosos.

Add Comment Register



Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


forbrukslån